jusbrasil.com.br
26 de Agosto de 2019
    Adicione tópicos

    PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR: Prêmio PREVIC de Monografias já tem vencedores

    Ministério Da Previdência Social
    há 9 anos

    Da Redação (Brasília) - A Comissão Julgadora do 3º Prêmio Previc de Monografias definiu os três primeiros lugares nas categorias apresentadas para este concurso de 2010, concedendo ainda duas menções honrosas. Os vencedores receberão um prêmio em dinheiro de R$ 10 mil, cada, em solenidade a ser realizada durante o 31º Congresso Brasileiro de Entidades de Previdência Complementar, no dia 17 de novembro, às 16h, em Olinda (PE). A Abrapp/Sindapp e a Fundação Anfip também participam da promoção e julgamento do Prêmio de Monografias.

    Na categoria Comunicação com os Participantes da Previdência Complementar e seus efeitos na Sociedade Brasileira, foi classificada, em primeiro lugar, a advogada, com pós-graduação em Comunicação e Assessoria de Imprensa pela FGV, Helena Regina Valença, ex-funcionária do Aerus, exercendo atualmente o cargo de consultora em comunicação para vários fundos de pensão.

    Seu estudo se propõe a demonstrar porque as entidades fechadas de previdência complementar (EFPC) têm dificuldade em chamar a atenção de seus participantes para os assuntos que precisa comunicar. Segundo a autora, fruto de uma linguagem de difícil compreensão e de baixa atratividade para a maioria quase leiga no assunto, essa falta de interesse pelo tema da previdência complementar reflete na sociedade, que olha esse segmento com distanciamento e desconhece os valores que são gerados para o país.

    Pelo trabalho da autora, a atenção dos participantes é um patrimônio sob disputa, e para isso a educação financeira e previdenciária pode ser um bom começo, por meio de uma linguagem simples e ferramentas modernas, de diálogo com o participante e com a sociedade.

    Ativos financeiros - O primeiro lugar na categoria Desafios na gestão dos ativos financeiros e passivos previdenciários nos fundos de pensão foi conferido a Felipe Vilhena Antunes Amaral, mestre em administração de empresas pela UFMG, e com experiência profissional no BNDES e, atualmente, participante do fundo de pensão Fapes.

    O autor desenvolveu, em sua monografia, uma metodologia de gerenciamento de ativos e passivos para EFPC com planos do tipo BD. Com dados de uma entidade brasileira, Felipe explica que foi estudado o problema de minimização da probabilidade de inadimplência de um fundo de pensão.

    A metodologia apresentada obteve êxito e o estudo investigou ainda como mudanças na política de contribuição, reavaliações periódicas na composição do portfólio e escolha do período para estimação dos parâmetros e grau de capitalização da EFPC influenciam no perfil de alocação dos ativos do fundo.

    Longenvidade - O primeiro prêmio para o tema Riscos da Longevidade e os Fundos de Pensão foi dado Riovaldo Alves de Mesquita, graduado em Ciências Atuariais e doutorando em Economia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É servidor público, lotado atualmente no IBGE. Seu estudo foi feito em coautoria com Giácomo Balbinotto Neto, professor de economia da UFRGS.

    Nessa monografia, os dois autores mostram que o risco de longevidade é, atualmente, mais difícil de ser trabalhado, porque a longevidade dos idosos cresce acima das projeções atuariais e porque a queda tendencial dos juros reais no Brasil diminui os rendimentos financeiros dos fundos de pensão. Para os autores, há três estratégias de os fundos lidarem com o risco de longevidade: reter o risco; transferi-lo para os participantes; e transferi-lo para o mercado ou para o governo.

    Menção honrosa - Os membros da Comissão Julgadora conferiram Menção Honrosa, também na categoria Risco de Longevidade, a Mariana Cristina Macieira Souza, atuária e mestre em demografia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Ela trabalha, atualmente, como gerente de relacionamento no BB Previdência Fundo de Pensão do Banco do Brasil. Mariana construiu uma tábua de mortalidade com base nas probabilidades de morte dos aposentados do Regime Geral de Previdência Social, no período 1998/2002. Ela concluiu que os resultados de esperança de vida, originárias dessa tábua, são bem próximas das tábuas AT-83 e IBGE-2008.

    Outro candidato a receber Menção Honrosa foi Sérgio Augusto Ferreira Lemes, formado em Administração e Publicidade e Propaganda, com pós-graduação em Previdência Complementar pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Trabalhando atualmente na Previminas, Sérgio Augusto diz que em fundos de pensão os prazos são longos, o que impõe desafios aos comunicadores, já que atuária, investimentos, cálculo de benefícios são temas áridos, exigindo profissionalismo, confiança e respeito na relação com os participantes e a sociedade.

    Informações para a Imprensa

    Zenaide Azeredo

    (61) 2021-5113

    ACS/Previc/MPS

    0 Comentários

    Faça um comentário construtivo para esse documento.

    Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)